O guia completo sobre Tesouro Direto!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

Fazer o seu dinheiro trabalhar para você é a melhor alternativa para cuidar e aumentar o seu patrimônio. Para chegar a esse resultado, é essencial começar a investir o seu dinheiro o quanto antes. E, entre as diversas opções, há o Tesouro Direto.

Apesar de ser relativamente recente, essa modalidade da renda fixa ganhou grande popularidade. Também é repleta de vantagens e oferece um bom equilíbrio entre segurança desempenho e facilidade de acesso. Como tem vários tipos de títulos e taxas, ainda é uma alternativa indicada para diferentes perfis.

Para aproveitar tudo o que essa possibilidade apresenta, veja o guia completo para investir em Tesouro Direto!

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa de investimento que foi criado em 2002. Ele é fruto da parceria da Bolsa de Valores brasileira, a B3, com o Tesouro Nacional. De forma simples, ele permite a negociação de títulos públicos, os quais oferecem a rentabilidade prevista para cada opção disponível.

O funcionamento resumido é semelhante a um empréstimo. O investidor adquire o título, que é guardado pela B3, e passa a “emprestar” dinheiro para o Governo Federal. Os recursos são utilizados para a realização de projetos, obras de infraestrutura, compra de equipamentos e etc.

Em troca, quem investe recebe o dinheiro que aplicou mais os juros previamente conhecidos no momento da aplicação. Essa “remuneração” é a rentabilidade e varia com as condições de cada opção disponível.

Sua criação foi motivada, principalmente, para simplificar a entrada dos investidores do mercado financeiro. Hoje, já há mais de 1 milhão de investidores ativos nessa modalidade no país, o que o torna um dos mais populares.

Quais são as opções existentes?

Como as condições de “funcionamento” são variáveis, há diversos tipos no Tesouro Direto disponível para os investidores. Conhecer essas opções é muito conveniente para tomar boas decisões e encontrar a alternativa que tem a ver com as suas expectativas e objetivos.

Para ter uma ideia completa antes de tomar a decisão, confira quais são os tipos disponíveis!

Prefixado

Os títulos prefixados são aqueles que apresentam, no momento da compra, qual será o valor recebido até a data acordada. Nesse caso, o rendimento é dado por uma taxa que não varia de acordo com a economia e que é ideal para um cenário de queda constante dos juros.

No entanto, é preciso tomar cuidado com a liquidez. O resgate antecipado faz com que você receba a taxa vigente no mercado. Como nem sempre é a mesma que o valor previamente fixado, é recomendado avaliar se ocorrerá alguma perda.

Pós-fixados

Já os títulos pós-fixados são aqueles cujo valor a ser recebido só é conhecido no momento do resgate. Para que isso seja possível, ocorre um acompanhamento de indicadores da economia, como a taxa básica de juros.

O resgate antecipado não gera perdas porque não houve um valor previamente acordado e as taxas tem tem efeito de acompanhar mercado. 

Híbridos

Os títulos híbridos do Tesouro Direto unem as duas características das categorias anteriores. Ou seja: uma remuneração que acompanha uma taxa da economia (como a Selic), mas que também tem uma taxa  previamente definida.

Na maioria dos casos, é utilizado para resgates de médio ou longo prazo. Se ocorrer a antecipação, a venda está sujeita às condições do mercado, o que pode não ser interessante.

Qual é a rentabilidade?

Quando falamos nos tipos de títulos do Tesouro Direto, é possível notar que há diferenças em relação ao funcionamento e características. Isso faz com que a rentabilidade entre eles também seja distinta. De maneira geral, os ganhos obtidos dependem da modalidade escolhida, das condições de mercado e do seu comportamento quanto ao resgate.

Na maioria das situações, aguardar até o prazo de vencimento é a melhor forma de obter os ganhos máximos, para cada situação. Além disso, é preciso considerar os tipos disponíveis para aplicação. A seguir, veja quais são as versões principais!

LTN – Tesouro Pre-Fixado

O Tesouro LTN também é conhecido como Tesouro Prefixado. Como dissemos, essa modalidade faz com que a rentabilidade seja fixa e definida no momento da aplicação. Se você cumprir o prazo de aplicação, saberá, exatamente, o quanto receberá ao final.

Essa é uma opção segura e especialmente recomendada para investidores com perfil conservador. Graças a ele, é possível ter maior previsibilidade na carteira, ao mesmo tempo em que os ganhos são maiores que na poupança.

LFT – Tesouro Selic

O Tesouro LFT é famoso pelo nome de Tesouro Selic. Do tipo pós-fixado, tem uma rentabilidade que acompanha a taxa Selic. Esse indicador é a taxa básica de juros da economia, definida em reuniões do Banco Central.

A modalidade é muito vantajosa em momentos de inflação elevada. Para controlar o índice, é comum que haja um aumento na taxa de juros, o que eleva os ganhos para quem investe. Por suas características, é ideal também para investidores conservadores.

NTN-B – Tesouro Inflação

Já a NTN-B é chamado de Tesouro IPCA+ e é do tipo híbrido. Em relação à característica pós-fixado, ele acompanha o IPCA, que é o valor da inflação da economia brasileira. Ao mesmo tempo, conta com uma taxa prefixada, o que reforça sua rentabilidade.

Boa parte dos prazos é  para o médio e longo prazo e podem ir de 20 a 40 anos. No entanto, o resgate antecipado é viável, desde que sejam analisadas as condições no momento de solicitação. 

Existe valor mínimo?

Um dos aspectos mais interessantes sobre o Tesouro Direto é que é possível aplicar com um valor considerado baixo: apenas R$ 30,00. A partir desse número, qualquer investidor tem a chance de adquirir títulos e começar a aproveitar a rentabilidade.

Se quiser ter resultados ampliados, vale a pena pensar em aplicar uma quantia maior. Quem investe R$ 500,00, por exemplo, explora ainda mais o poder dos juros compostos. O mesmo vale para quem aumenta o valor dos aportes e, assim, consegue aproveitar melhor as características desses títulos.

Quais são as taxas envolvidas?

Antes de tomar a decisão, também é importante considerar quais são os custos envolvidos. Esses custos podem impactar o seu rendimento, então precisam ter um papel central na sua decisão.

Felizmente, o Tesouro Direto não tem custos tão elevados nesse sentido, o que é mais um motivo que garante a sua atratividade. Na sequência, confira quais são as principais cobranças.

Taxa de custódia

Como o programa do Tesouro Direto foi possível graças à parceria com a B3, é a instituição que armazena as informações e os títulos. Esse processo é conhecido como custódia e gera a taxa de mesmo nome. Ela é cobrada pela própria Bolsa e é provisionada diariamente. Então, quando você resgata o título, ela é cobrada proporcional pelo tempo mantido.

O valor é de 0,25% ao ano, em relação ao valor dos títulos, cobrados pro-rata no início de cada semestre. Para quem investe R$ 1.000,00, representa um pagamento de R$ 2,50, ao final de um ano. Quem tem mais de R$ 5 milhões, em uma única instituição financeira, está isento da cobrança a partir desse valor. aqui, no BS2, não há nenhuma taxa cobrada de custodia como acontece em outras instituições financeiras.

Imposto de Renda

Apesar de não ser exatamente uma taxa, é recomendado conhecer a tributação associada aos títulos públicos. O valor cobrado segue a tabela regressiva do Imposto de Renda e depende do tempo de aplicação.

De forma simples, quanto mais tempo você mantiver o valor aplicado, menor será o pagamento de impostos, com limite mínimo de 15%. Confira como funciona a tabela:

  • Até 180 dias: alíquota de 22,5%;
  • De 181 a 360 dias: 20%
  • De 361 a 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%

Assim, é possível se planejar para reduzir a cobrança de impostos e aumentar a sua rentabilidade. Ah! E não se esqueça da tabela de IOF nos primeiros 30 dias de aplicação.

Quais as vantagens desse investimento?

carteira de investimentos

Não importa se já investe ou se ainda pretende começar. O Tesouro direto é uma opção muito interessante e que traz diversas vantagens. Até aqui, você já sabe que ele é acessível, versátil e não cobra taxas demais.

Além disso, há outros pontos que fazem com que ele seja um dos mais procurados por investidores de todos os perfis. A seguir, veja quais são os principais aspectos positivos!

Máxima segurança

A aquisição de títulos públicos, por meio desse programa, é muito segura. Ao aplicar seu dinheiro nessa modalidade, você terá garantia completa por parte do Tesouro Nacional. Afinal, o governo costuma ser um excelente pagador.

Isso faz com que os pagamentos sejam honrados, mesmo diante de uma instabilidade econômica. Somente diante de uma situação totalmente caótica, que não ocorreu até hoje, é que o Tesouro não faria os pagamentos.

Melhor retorno que o da poupança

Embora a rentabilidade do Tesouro Direto varie com o tipo de contrato e com características pontuais, é possível afirmar que o retorno se destaca entre muitas opções do mercado. Ao falar da poupança, por exemplo, os títulos públicos costumam sair à frente.

Por si só, isso já é motivo para escolhê-lo. Além de tudo, é uma opção tão ou mais segura que a própria poupança, ao mesmo tempo em que rende mais. Com isso, oferece um custo-benefício que não deve ser ignorado.

Liquidez diária

Para completar, essa é uma modalidade de investimento que conta com liquidez diária. Ou seja: você pode resgatar o seu título todos os dias, independentemente de quanto tempo falta para o prazo. Embora isso exija consideração sobre custos e valores negociados, é um ponto relevante para a segurança.

Não ter que esperar o prazo de pagamento da aplicação assegura que você tenha o dinheiro se precisar, como em uma emergência. 

Como escolher a instituição ideal?

Para aproveitar tudo isso e muito mais, é ótimo contar com o apoio especializado da instituição financeira certa. Entre as alternativas, é possível escolher um banco para realizar essas negociações, acompanhar seus ganhos e tomar as decisões de liquidação. Além disso, é essencial que a opção selecionada tenha muitos outros pontos positivos e diferenciais.

Para chegar à decisão correta, confira o que avaliar para definir qual é a instituição ideal para aplicar no Tesouro Direto!

Facilidade de investimento

Esse programa de investimento foi criado, justamente, para simplificar a entrada dos investidores nessa modalidade. É possível tornar tudo ainda mais simples, graças à escolha da instituição correta. Por isso, vale a pena pensar se você encontrará obstáculos para aplicar nos títulos públicos.

Para fugir de problemas, o melhor é dar preferência a uma instituição que facilite o investimento. Se permitir acesso a todos os tipos, por exemplo, é um bom sinal e permite que você busque bons resultados.

Plataforma unificada

Em plena era digital, não faz sentido ter que encarar burocracia para fazer seu dinheiro render, certo? Por isso, avalie quais são as soluções do banco. Para simplificar o processo, ter uma plataforma unificada é melhor.

Você conseguirá ver tudo em um só local e controla seus investimentos com facilidade. Além disso, não terá que seguir mais que alguns passos para começar a aplicar e montar sua carteira. No final, é algo que faz toda a diferença para a experiência.

Isenção de taxa

Em relação às cobranças sobre o Tesouro Direto, não á como eliminar a taxa de custódia e o Imposto de Renda. No entanto, algumas instituições fazem a cobrança de uma taxa de administração, que compromete parte dos seus ganhos. Resultado? A aplicação fica menos atraente, então é preciso pesquisar.

Antes de comprar títulos em um banco, portanto, confira se o local cobra taxas sobre esse tipo de investimento. Ao selecionar uma alternativa isenta, você fortalece seus ganhos e conquista uma performance reforçada.

Assessoria especializada

E, por falar em desempenho, nada melhor que contar com ajuda especializada, não é? Para aproveitar essa característica, confira se o banco oferece o serviço de uma assessoria para investimentos.

Com esse serviço gratuito, terá explicações completas sobre as características de cada título e quais são suas oportunidades. Assim, você não terá dúvidas na hora de analisar qual é a melhor opção, em relação às expectativas para o cenário econômico.

No BS2 você encontra boa diversidade de investimentos para fazer, tudo facilitado por meio do app, sem falar que conta com uma assessoria especializada para tirar todas as suas dúvidas. Basta abrir sua conta investimentos e aproveitar muito mais seus recursos!

O Tesouro Direto é uma excelente opção para quem deseja aplicar o dinheiro com segurança e boa possibilidade de ganhos. Com a escolha do parceiro certo, o processo se torna ainda melhor e mais fácil, o que fortalece os resultados.

Se quiser mais motivos para pensar nas aplicações financeiras, veja 7 boas razões para começar a investir!

Posts Relacionados

Deixe o seu comentário abaixo

Siga a gente nas redes sociais

Posts mais lidos

Posts recentes